29-09-2017

TECO se consolida como um dos principais eventos sobre biocombustíveis da América Latina

A reunião de especialistas de diversas partes do mundo, mas, principalmente, do Brasil e da Argentina, grandes polos de biocombustíveis na cadeia global, demonstram a importância de investirmos na realização de encontros como o TECO

Desde 1990, com a aceleração do processo de globalização e os desafios econômicos que surgiram, o Brasil vem encarando diversas crises de produção de combustíveis e tem se adaptado para atender o mercado interno e externo, além de buscar novas opções de energia renovável, como é o caso do etanol.

Esse combustível também recebeu inovações e se transformou em um produto fundamental para atender às necessidades atuais de diminuir os impactos nas mudanças climáticas, bem como, ser uma alternativa sustentável e que atenda a uma gama maior no processo produtivo, como reutilização de resíduos, melhor aproveitamento das biomassas e novas opções para o consumidor que se preocupa com a sustentabilidade.

Esse é o retrato de uma cadeia produtiva e de consumo totalmente focada no bioetanol, que tem o potencial de atender as demandas energéticas do país e ajudar a reduzir, significativamente, o impacto ambiental gerado pelos combustíveis convencionais.

Um tema tão importante precisa de contribuições significativas de inúmeros setores: pesquisadores, cientistas, produtores, por isso, eventos como o TECO – Taller de Etanol Combustible, criado na Argentina e agora sendo realizado no Brasil, tendem a mostrar, inclusive pela ampla cobertura da imprensa, como esse tema, além da inovação, principais tendências e novidades do mercado precisam ser constantemente debatidos.

“O intercâmbio de experiências, a reunião de especialistas de diversas partes do mundo, mas, principalmente, do Brasil e da Argentina, grandes polos de biocombustíveis na cadeia global, demonstram a importância de investirmos na realização de encontros como o TECO, que completou sua terceira edição argentina e a primeira brasileira, neste ano. Esse encontro de distintos atores da cadeia produtiva, como empresas produtoras, fornecedores de insumos, autoridades e especialistas no tema, nos ajudam a entender a grande oportunidade existente para o setor de biocombustíveis diante da necessidade de reduzir, drasticamente, a emissão de gases de efeito estufa, com uma fonte de energia mais sustentável e com a melhor relação custo/benefício do mercado”, explica Emerson Vasconcelos, presidente Regional da Novozymes Latin America.

Nas edições do TECO Argentina e Brasil deste ano, os encontros reuniram a participação de especialistas dos Estados Unidos, Brasil, Canadá, Argentina, Áustria e Dinamarca, e foi organizado pela Novozymes. A expectativa, em 2018, é que o evento seja realizado em novas regiões da América Latina, dando continuidade ao projeto de promover alianças e acordos para impulsionar o desenvolvimento e produção dos biocombustíveis.

Quer fazer um comentário?