30-05-2017

Projeto Educação ganha página exclusiva

 

O projeto, que já impactou na América Latina mais de 23 mil pessoas sobre o potencial da Biologia, ganha mais uma ferramenta para atingir a meta de 25 mil impactos em 2017

            Professores, alunos e leitores de todo o Brasil já podem contar com mais uma ferramenta do projeto EDUCAÇÃO, uma iniciativa da multinacional dinamarquesa, Novozymes, que mantém, desde 2015, diversas atividades que têm o foco de impactar, até 2020, 1 milhão de pessoas sobre o potencial da Biologia no mundo todo.

            Após o lançamento de três livros-aplicativos e divulgação desses materiais para crianças e adolescentes de todo o Brasil, agora, é possível encontrar todas as informações do projeto em uma página exclusiva do projeto EDUCAÇÃO: www.bioapp-novozymes.com.br.

Com acesso prático aos livros-aplicativos, a nova página também traz a descrição de cada um deles, explica que há atividades extras nos aplicativos (tais como experimento científico, proposta de ação social, detalhes sobre os ODS aplicados), além de apresentar depoimentos e números do projeto em tempo real. Um verdadeiro tutorial que possibilita aos professores e educadores de todo o país a aproveitarem a tecnologia para o desenvolvimento de atividades prática, interativas e lúdicas com alunos da rede pública e privada do Brasil, gratuitamente.

O projeto já impactou, apenas no Brasil, mais de 23 mil pessoas e tem como meta, este ano, atingir 25 mil para explicar como a Biologia pode contribuir com o desenvolvimento do mundo. A iniciativa já alcançou também leitores na Inglaterra, Venezuela, Vietnam, Israel, Uzbequistão, Paquistão, além do Brasil e já somam mais de mil e seiscentas horas de leituras.

No ano passado, o aplicativo Frritt-Flacc ganhou destaque com o Selo Distinção Cátedra UNESCO de Leitura PUC-Rio, um dos mais significativos do Brasil, sendo considerado pela banca julgadora (de pesquisadores relevantes em literatura) como uma das melhores obras infanto-juvenis publicadas em 2016. Em maio de 2017, foi a única obra brasileira a competir no prêmio da Opening Up Digital, uma iniciativa de pesquisadores da Bangor University, País de Gales e da Sheffield Hallam University, Inglaterra. Leitores do mundo todo puderem escolher a melhor obra, e o “Frritt-Flacc” venceu na categoria “Escolha Popular”.

 

Quer fazer um comentário?