02-11-2016

Produção de azeite de oliva e enzimas

A utilização de enzimas para a produção do azeite de oliva é uma tecnologia sustentável, pois a redução do volume de água contribui para a sua economia.

A Oliveira é a árvore de onde provêm as azeitonas e das quais é retirado o óleo para produzir o azeite de oliva. As finalidades industriais para este azeite são várias, dentre eles a alimentícia, cosmética e saúde.

Devido a tantas utilidades, o azeite de oliva tem sido cada vez mais procurado pelo mercado consumidor. Dessa forma, é crescente o número de empreendedores que estão investindo neste produto. O maior destaque é para o setor da saúde, pois esse derivado das azeitonas possui uma série de benefícios para nosso organismo: contêm alto teor de Ômega 3, que funciona como antioxidante na produção de radicais livres.

As gorduras monoinsaturadas preservam as propriedades cognitivas do cérebro e os ácidos graxos monoinsaturados presentes no azeite evitam a obstrução das artérias. Além destes benefícios, o azeite de oliva ainda apresente ótimo valor nutritivo, auxilia no crescimento dos cabelos e retarda o envelhecimento precoce da pele.

Condições de cultivo e enzimas

Para produzir o azeite de oliva é necessário que a composição das variedades das azeitonas e o processo de cultivo estejam nas melhores condições possíveis, para que a qualidade e volume de óleo extraídos sejam significativos. Atualmente, existem técnicas para maximizar a produção e evitar desperdícios de matéria-prima, a utilização de enzimas é um dos mais promissores, pois inclui moléculas biológicas para realização do processo.

As enzimas aplicadas são as pectinases, que estão presentes naturalmente nas lamelas medianas e paredes celulares das plantas. A pectinase é inserida na massa de azeitonas e realiza a degradação da pectina solúvel e insolúvel, que torna a mistura menos viscosa e, com isso, o líquido é extraído mais facilmente. Além de aumentar a produção, a pectinase auxilia na extração de polifenóis que mantêm a estabilidade oxidativa do óleo.

Redução dos impactos ambientais

A utilização de enzimas na fabricação de azeite de oliva reduz em até metade do volume de água que é utilizado tradicionalmente e não deixa resíduos no óleo. Sendo assim, é uma tecnologia sustentável, que contribui na economia de água em processos industriais e substitui produtos químicos poluentes e tóxicos que deixam resíduos. Dessa forma, é reduzida a quantidade de contaminantes que chegam aos corpos hídricos e na atmosfera e o consumidor adquire produtos mais seguros para sua saúde. A indústria líder mundial no segmento de enzimas, Novozymes, conta com mais de 700 tipos de enzimas que são utilizadas na fabricação de diversos produtos.

Gostaria de conhecer mais sobre biotecnologia e soluções sustentáveis? Acesse www.bioblog.com.br e fique por dentro das novidades na comunidade científica.

Quer fazer um comentário?