Alimentos e Bebidas

Por que asiáticos ficam vermelhos quando bebem algo com álcool? A biologia explica!

Bebidas com álcool

Você já deve ter visto alguma pessoa com descendência asiática ficando ruborizada depois de uma ou duas bebidas com álcool. E você sabia que essa reação está ligada a ação de duas enzimas dos nossos organismos, que não agem como deveriam?

Estranho, não é? Para explicar melhor, vamos entender o que acontece normalmente no corpo de uma pessoa quando ela bebe vinho, cerveja, ou alguma outra bebida alcoólica. O álcool ali presente é absorvido pelo corpo rapidamente, sendo metabolizado (ou seja, convertido para outros compostos) pelo fígado. No órgão, parte do álcool é convertido para um composto, o acetaldeído, por uma enzima chamada de desidrogenase alcoólica (parte somente, pois um pouco do álcool acaba indo circular pelo sangue, o que causa os sintomas de embriaguez). E, logo em seguida, uma segunda enzima, chamada de desidrogenase acetaldeída, converte o acetaldeído em ácido acético. Essas reações precisam ocorrer de forma rápida e sequencial, pois o primeiro composto formado, o acetaldeído, é tóxico para o organismo humano, podendo causar diversas reações adversas.

Uma dessas reações é o rubor visto na pele de pessoas asiáticas. Parte dessa população faz a reação de absorção e conversão do álcool de forma diferente, devido uma anomalia genética. Essa anomalia faz com que a desidrogenase alcoólica seja muito mais rápida que o normal para modificar o álcool em acetaldeído, e faz também que a segunda enzima, a desidrogenase acetaldeída, seja muito mais lenta em transformar o composto tóxico em ácido acético (que não possui toxicidade nenhuma!). Isso causa um acúmulo de acetaldeído circulando pelo corpo desses indivíduos, o que, além de causar o vermelho no rosto e em outras partes do corpo, pode acarretar outros problemas mais sérios, como uma maior probabilidade de um câncer no esôfago.

Mas por que isso ocorre justamente com parte da população asiática? Não se sabe exatamente. Estudiosos acreditam que, por seleção natural, essa anomalia genética se manifestou neles como uma forma de sobrevivência. Isso por que o acetaldeído faz mais mal a outros seres, como vírus e protozoários, do que para nós, o que deu a essa população uma forma de se prevenir contra infecções. O problema mora quando se tem um acúmulo muito grande da substância, que acontece quando se consome bebidas alcoólicas em excesso.

Não significa, também, que qualquer pessoa que ficar com o rosto vermelho depois de beber muito, que essa pessoa possui a anomalia. O que acontece com os asiáticos é muito mais rápido, e requer uma atenção especial para evitar problemas futuros.

E aí, conhece algum amigo com descendência asiática que logo fica vermelho depois de beber algum drink? Compartilhe esse post com ele para que ele também saiba a razão disso sempre acontecer, e que entenda a importância do conhecimento da biologia dentro de seu corpo! E não esquece de deixar seu “Curtir”!

Tags:

3 comments

  1. Parabéns pelo artigo! O interessante (ou não) é que, na mesma família, o rubor pode aparecer apenas em pessoas distintas. Alguma enzima pode ajudar para evitar a vermelhidão (que pode vir acompanhada inclusive de taquicardia)? Já soube que a vodca de couve – para alguns ruborizados – é a bebida que não causa esse problema. Também já recebi a dica da ingestão de pepsina antes do consumo de bebida alcoólica para amenizar o efeito do rubor. Seguem mais desafios para os especialistas…

    1. Realmente, chegamos a encontrar algumas discussões sobre a Vodca de couve (Kale Vodka) não causando a vermelhidão, o que é muito interessante! Não se sabe ao certo por que essa bebida não causa o problema. Talvez por conter uma quantidade menor de possíveis toxinas (é uma bebida que passa por muitos estágios de purificação), o que diminui a chance de alergias (a reação de vermelhidão é ligada a uma reação alérgica em muitos casos) no indivíduo que a ingeriu. Não vi nada sobre o uso da enzima (se puder nos passar mais sobre, ficamos contentes!), mas sim do uso de anti-histamínicos no tratamento dessa vermelhidão, o que envolve a diminuição de alergias novamente. É interessantíssimo de se discutir, e é um tópico que deve ser muito mais estudado por especialistas!

    2. Fico feliz que o artigo tenha sido útil Cecília! Obrigada pela sugestão!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *