31-07-2017

Pesquisadores identificam enzima capaz de formar plástico biodegradável

Pesquisadores do MIT descobriram a estrutura de uma enzima bacteriana que é capaz de produzir plásticos biodegradáveis

         Todo mundo já ouviu falar que para decompor um plástico é preciso entre 100 a 500 anos. Por isso, ele é uma dor de cabeça para meio ambiente e um dos principais problemas que afetam a biodiversidade. Em janeiro deste ano, um estudo publicado no jornal eletrônico do Instituto Nanocell mostra que é possível mudar essa realidade com ajuda de enzimas.

Segundo a publicação, pesquisadores do MIT descobriram a estrutura de uma enzima bacteriana que é capaz de produzir plásticos biodegradáveis. Essa enzima gera cadeias longas de polímero que podem formar plásticos duros ou macios, dependendo dos materiais de partida que são utilizados. Aprender mais sobre a estrutura da enzima poderia ajudar aos engenheiros a controlar a composição e tamanho dos polímeros, um possível passo rumo à produção comercial desses plásticos, que, ao contrário do plástico convencional formado a partir de produtos derivados do petróleo, seria biodegradável.

Outra novidade da ciência é daqui do Brasil. Em abril, a Universidade de São Paulo anunciou a produção de um plástico 100% biodegradável feito a partir de resíduos da agroindústria. Segundo o Jornal da USP, o material seria mais barato, não competindo com o mercado de alimentos e pode ser uma boa alternativa para acondicionar hortifrútis, já que contém antioxidantes.

O novo produto é resultado das pesquisas dos laboratórios do Departamento de Química da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da USP. A química Bianca Chieregato Maniglia desenvolveu filmes plásticos biodegradáveis a partir de matrizes de amido presentes em resíduos agroindustriais de cúrcuma, babaçu e urucum.

O material foi totalmente desenvolvido a partir de descartes da agroindústria, ajudando na reciclagem de resíduos e produzido com fontes renováveis que podem ser cultivadas em qualquer lugar do mundo.

Os pesquisadores da FFCLRP conseguiram produzir filmes plásticos com boa aparência, boas propriedades mecânicas, funcionais e ativas, o que os torna mais eficientes na conservação de hortifrútis. O grupo de pesquisa também tem trabalhado com a aplicação de aditivos como a palha de soja tratada, outro resíduo agroindustrial, para melhorar as propriedades destes filmes. A meta é o ganho de maior resistência mecânica e menor capacidade de absorver e reter água.

Biotecnologias a favor da biodiversidade

Graças à Biotecnologia é possível desenvolver soluções sustentáveis para fabricação de produtos alimentícios, têxteis, limpeza, além de tratamento da água com o uso de enzimas e, assim, auxiliar na preservação da biodiversidade. As enzimas são catalizadoras naturais em reações químicas, e podem ser aplicadas na produção de biocombustíveis, garantindo ainda mais economia para o planeta. Na América Latina, a Novozymes é referência no segmento, realizando seus trabalhos com base na sustentabilidade e menor impacto negativo ambiental. Conheça mais conteúdos sobre Biologia e Biotecnologia aqui no Bioblog

Quer fazer um comentário?