27-10-2016

O uso de enzimas na indústria do couro

A indústria do couro levanta uma série de questões sobre impactos ambientais. Entre os principais aspectos estão: alto consumo de água, mais precisamente 25 metros cúbicos para cada tonelada de pele salgada; considerável gasto de energia durante os processos de secagem, ligação do maquinário da estação de tratamento de efluentes e também para aquecer a água dos banhos; e, por fim, a utilização e o descarte de artigos químicos (branqueadores, solventes e sais de cromo) nas mais diversas etapas do processo de produção.

Embora historicamente o setor de produção de couro tenha sido visto como negativo em termos sustentáveis, atualmente existem alternativas bastante eficientes que conseguem reduzir emissões de poluentes, otimizar processos e tratar efluentes. Essas soluções foram motivadas devido à criação de leis mais rigorosas, em conjunto com o aumento da percepção dos empresários a respeito da necessidade de colocar em prática uma produção mais sustentável e limpa. A alternativa que tem se mostrado ecologicamente mais correta e, ao mesmo tempo, financeiramente viável, diz respeito ao uso de enzimas, que nada mais são que proteínas catalisadoras biológicas. Especificamente na indústria do couro, entre os processos em que as enzimas podem ser utilizadas estão:

  • Remolho: esse processo tem como objetivo principal a reidratação das peles, removendo sujidades, sal, proteínas solúveis e gordura. A utilização de enzimas nessa etapa, faz com que tenhamos uma reidratação muito uniforme, reduzindo a utilização de surfactantes e em menor tempo do que o processo convencional.
  • Depilação-caleiro: esse processo visa remover o pelo ou a lã da pele, retirar a epiderme e desagregar as fibras do colágeno que estão no tecido dos animais. Tradicionalmente, a depilação é realizada por meio de um banho de  sulfeto de sódio, altamente contaminante. No entanto, ao utilizar enzimas nessa etapa, é possível melhorar a eficiênica do processo, reduzindo a carga química utilizada de forma a termos um efluente menos poluente.
  • Purga: esse processo diz respeito à limpeza mais profunda. Ao invés de novamente fazer uso de produtos químicos prejudiciais à natureza, é possível utilizar enzimas proteolíticas. Elas são capazes de limpar a pele dos restos de epiderme, pelo e gordura de forma bastante eficaz.

Como no caso dos processos descritos acima, a aceleração das reações químicas geradas pela utilização de enzimas permite poupar o meio ambiente do excesso de utilização de produtos químicos e, devido à eficiência das enzimas para limpeza é possível utilizar menor quantidade de água nesses processos.

Enzimas robustas e de qualidade

A multinacional Novozymes é líder mundial em produção de enzimas. A empresa nasceu para pensar e desenvolver biosoluções que promovam a sustentabilidade. Acesse o site http://www.bioblog.com.br/ e conheça mais sobre o trabalho da Novozymes.

Quer fazer um comentário?