Bioenergia

Novozymes debateu o cenário do etanol de milho durante o Fórum Mais Milho

Evento abordou o futuro da produção de milho no país

As perspectivas, cenários e status da produção nacional de Milho são debatidas durantes as edições do Fórum Mais Milho, uma iniciativa do Canal Rural, que além dos eventos pelo país traz notícias especiais sobre o mercado, a lavoura e informações voltadas aos agricultores.

A terceiro fórum desta segunda temporada foi realizado na última semana na Parecis SuperAgro e abordou o futuro da produção de milho no país, reuniu especialistas que destacaram quais são as vantagens do uso do milho como matéria-prima para a produção de etanol. Um dos especialistas participantes foi o William Yassumoto, head of commercial biorefining da Novozymes Latin América, que falou sobre a importância desse evento. “O Fórum Mais Milho, evento que acontece em vários centros agropecuários espalhados pelo Brasil, é um excelente canal de comunicação e aproximação entre os diversos atores da cadeia de valor do milho. A Novozymes se fez presente participando do painel sobre os avanços da indústria do etanol de milho. Na ocasião, foram discutidos os avanços do programa RENOVABIO, o potencial de crescimento da indústria nos próximos anos, bem como oportunidades e desafios”, comentou.

Segundo informações da Parecis, cerca de 80 novas indústrias de etanol podem ser instaladas no Estado do Mato Grosso nos próximos anos. Com dados de produção e expectativas, durante o evento, o vice-presidente da Associação Brasileira de Produtores de Milho (Abramilho), Glauber Silveira, explicou que quando o assunto é etanol de milho, não há problema e sim muitas soluções. O milho fica pronto para utilização em cerca de seis meses e é mais fácil de armazenar. “Além disso, estamos em crescente produção até 2025. Temos um potencial muito grande, mas o produtor deixou de expandir em área plantada. Assim sendo, é preciso focar em tecnologia, produção e investimento na produção e produtividade”.

Clique aqui e confira a entrevista completa de William Yassumoto.

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *