26-07-2017

Ethanol Summit: Mais Produtividade e Menor Custo, Caminhos para Crescer

O etanol de milho se consolida como uma alternativa, juntamente com o de Segunda Geração (2G), para reduzir o déficit de combustível no Brasil nos próximos anos

            Entre os principais conteúdos explorados na extensa agenda de debates do Ethanol Summit, destaque para o papel do etanol e demais derivados da cana na luta contra o aquecimento global, os 30 anos de geração da bioeletricidade sucroenergética, a situação atual e perspectivas de crescimento da indústria canavieira, infraestrutura, inovações tecnológicas e o peso estratégico de políticas públicas e iniciativas como o RenovaBio para o futuro de uma matriz energética nacional mais limpa e renovável, foram extensamente debatidos durante dois dias em São Paulo.

William Yassume Yassumoto, Head of Commercial Biorefining da Novozymes, participou de um painel, no dia 27 de junho, com o tema: “Mais Produtividade e Menor Custo: Caminhos para Crescer” e avaliou que o etanol de milho se consolida como uma alternativa, juntamente com o de Segunda Geração (2G), para reduzir o déficit de combustível no Brasil nos próximos anos. “Pela primeira vez em 10 anos de Ethanol Summit, apresentar e debater uma alternativa que não seja baseada em cana-de-açúcar, é um marco importante a ser destacado. O painel do qual fizemos parte destacou várias alternativas para o aumento da produtividade e redução de custos no setor, fatores críticos nesse momento para a indústria sucroenergética. O lançamento e aprovação da primeira cana geneticamente modificada pelo CTC é reconhecidamente um grande avanço, onde novamente a biotecnologia faz a diferença nessa indústria”, avalia o executivo.

Entre os principais destaques do evento, Yassumoto relembra as assinaturas de acordos multilaterais, realizadas durante o Ethanol Summit, como o Memorando de Entendimento entre a ANFAVEA e a UNICA na busca de avanços tecnológicos que integram a indústria automotiva e o etanol, a renovação do compromisso ambiental no Estado de São Paulo entre a ORPLANA, UNICA, CETESB e Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo.

Para a presidente da ÚNICA, Elizabeth Farina, esse foi um momento de reflexão estratégica do setor sucroenergético que, por sua vez, é estratégico para a economia brasileira. “Ele emprega quase 1 milhão de pessoas em empregos diretos e está presente em 30% dos municípios. Tem um impacto social e econômico muito importante. Alguns estudos mostram que os municípios que têm a cana-de-açúcar registraram um desempenho de Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) maior do que em outros municípios”, explicou.

A presidente da entidade ainda enfatizou que o Brasil tem vantagem comparativa e competitiva associada aos biocombustíveis, em particular, o etanol. “O Brasil desenvolveu uma tecnologia na engenharia ligada ao etanol e vejo uma janela de oportunidade de desenvolvimento colaborativo entre o desenvolvimento tecnológico do parque automotivo, da ANFAVEA e seus associados com o RenovaBio”, ressaltou.

Biosoluções

Novozymes é uma multinacional de referência no segmento de enzimas. Elas otimizam o processo de produção de biocombustíveis e podem reduzir em até 130% as emissões de gases de efeito estufa, o que também diminui a pegada de carbono. Dessa forma, todos os trabalhos da Novozymes são baseados em práticas sustentáveis e com menor impacto ambiental. Conheça também outros conteúdos sobre biologia e meio ambiente no Biobloghttps://www.bioblog.com.br/.

Quer fazer um comentário?