Papel e Celulose

Enzimas ajudam a produzir papeis mais macios com a substituição total ou parcial de produtos químicos

As enzimas celulases têm sido aplicadas na produção de papeis tipo tissue conferindo ganhos de qualidade e custo, como, por exemplo, a redução de agentes de resistência a seco, amido e energia.

Sabe aquele papel branquinho e macio que usamos no dia a dia? Seja para conter um resfriado, para a higiene ou para gastronomia, limpeza e higienização das nossas casas, o papel tissue, como é categorizado, é um produto que faz parte do nosso dia a dia.

Mas pouca gente sabe que para produzir o papel é preciso diversos processos. O papel é composto por fibras de celulose e para fazê-lo a indústria começa pelo processamento da madeira. Depois, é necessário transformá-la em polpa (celulose), com a ajuda de processos químicos. Após, são extraídos  dessa polpa diversos componentes, como as resinas e outras impurezas.

O papel tissue, tecnicamente, é conhecido por esse nome porque ele passa pelo sistema de crepagem do papel. A crepagem é o que confere aos papeis as características de maciez e elasticidade. O papel, nessa etapa, é colocado num secador e retirado dele com ajuda de uma lâmina metálica, chamada raspa. Ao ser colocado no secador, a velocidade do processo e a ida para a bobina provoca pequenas dobras no papel, conhecidas como crepe.

Para ajudar em alguns desses processos, principalmente, naqueles que contribuem para a redução do uso de compostos químicos, estão as enzimas, com a vantagem de que elas são uma alternativa mais sustentável em relação aos químicos tradicionalmente utilizados neste processo. As enzimas celulases podem agir na produção de papel tissue otimizando a carga de químicos, amidos e outros aditivos,  além de possibilitar economia de energia, seja no processo de refinação ou no de secagem da folha. Alternativamente as enzimas podem também auxiliar na melhoria de propriedades e resistência da folha, que é um parâmetro importantíssimo para a qualidade do papel e eficiência da máquina de papel.

Em outras palavras, a utilização de enzimas adequadas a cada tipo de processo, possibilita melhorar a operabilidade e propriedades do papel. Para isso, a Novozymes disponibiliza equipe técnica que auxilia na seleção e desenvolvimento da melhor solução para cada situação. Acesse o site da Novozymes e conheça mais sobre as possibilidades.

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *