14-06-2017

Como um lava-roupas enzimático atua nos tecidos?

As enzimas presentes no lava-roupas enzimático atuam como uma tesoura removendo até as manchas mais difíceis no tecido

            Você já sabe como o uso de enzimas ajuda na limpeza e remoção de manchas, agora, vamos contar como um lava-roupas enzimático atua nos tecidos e manchas e porque ele é tão eficiente. As enzimas agem como uma tesoura nas manchas, quebrando cadeias complexas de proteína, carboidratos, amido e gorduras em frações menores que por sua vez se tornam solúveis e podem ser removidas facilmente pelos detergentes sem danificar o tecido. Uma forma de imaginar esse processo é pensando numa mancha de chocolate, ela é composta por proteína (do leite), de carboidratos e de gordura, um lava-roupas enzimático (contento múltiplas enzimas) é capaz de quebrar toda a complexidade de componentes presentes na mancha e tornar o processo de limpeza bem mais simples para os surfactantes presentes no detergente.

Os lava-roupas (detergentes), são compostos de vários componentes, o principal deles é o surfactante (ou tensoativo), este componente serve para quebrar a tensão superficial da água, no processo de lavagem, ele facilita que a água penetre mais facilmente nos tecidos e a limpeza funcione mais facilmente, além disso, ajuda também na remoção de alguns tipos de sujidades solúveis e a emulsificar graxas e gorduras. Um detergente, para levar este nome, precisa ter em sua composição uma quantidade mínima de surfactantes para poder ser chamado de detergente.

Outra informação importante é a diferença entre sabão e detergente. O sabão é o produto de reação obtido pela saponificação de uma gordura (que pode ser de origem vegetal ou animal) com um álcali forte. A reação de saponificação produz ao final um sal de ácido graxo que é amplamente conhecido como sabão, os sabões ainda são muito utilizados em nossa região, principalmente, na forma de sabão barra e sabonetes. O sabão é um produto de limpeza excelente, age muito bem na remoção de vários tipos de manchas, porém, perde rapidamente sua eficiência em contato com águas mais duras (aquelas que contêm grande concentração de ions de Ca+ e Mg+).

Já os detergentes em geral são formados por surfactantes de origem sintética e que em sua maioria são menos sensíveis à dureza d’água.

Nos lava-roupas atuais, tanto líquidos como pós, várias classes enzimáticas são utilizadas e as mais comuns são: proteases, lipases, amilases, celulases e mananases.

No processo de lavar roupas, as enzimas trazem 3 benefícios principais, são eles: remoção de manchas, brancura e cuidado com as fibras e cores.

As proteases, por exemplo, decompõem as proteínas, que estão presentes em manchas de ovo, sangue, produtos derivados de leites, bebidas achocolatadas. Por sua vez, as amilases removem manchas de amido, que encontramos nos mais diferentes tipos de alimentos industrializados, como pastas, molhos, entre outras.

As enzimas, ao eliminarem totalmente as manchas complexas, também evitam o amarelamento de peças brancas. As celulases promovem uma espécie tratamento físico-químico nos tecidos e ajudam na manutenção do brilho das cores e podem até remover (ou evitar a formação) das indesejáveis bolinhas  dos tecidos.

As enzimas são amplamente empregadas nas formulações de detergentes para lavar roupas,  facilitando a remoção de manchas, permitindo a lavagem de roupas em baixas temperaturas e em ciclos mais curtos, além, é claro, de ajudar também os fabricantes a formularem detergentes mais concentrados que, por usarem menos água em sua formulação e terem um uso reduzido de embalagem, são por sua vez mais sustentáveis. No mercado brasileiro mais de 80% dos detergentes contêm pelo menos uma enzima, de acordo com as estimativas do Euromonitor.

Quer fazer um comentário?