25-01-2017

Como funciona uma termoelétrica?

As chamadas termoelétricas funcionam pela queima de combustíveis, geralmente fósseis, como petróleo ou gás natural. Nesse tipo de usina, a água contida em uma caldeira é aquecida, produzindo vapores em altas condições de pressão. Esses vapores movimentam turbinas, gerando eletricidade. Outras formas de criação de energia térmica também são empregadas, como o rompimento nuclear: é o caso das conhecidas usinas nucleares, que também são um tipo de termoelétrica. Assim, energia produzida chega para consumo por meio de fios de alta-tensão.

O funcionamento das termoelétricas tem causado grandes danos à natureza, pois os gases liberados na atmosfera, pela queima dos combustíveis, alteram a composição e a qualidade do ar. Além disso, os recursos hídricos também são prejudicados, pois o vapor utilizado no processo é resfriado e condensado, para que volte ao estado líquido e seja reutilizado em um novo ciclo de produção de energia. O problema, no entanto, está nas técnicas aplicadas nesse resfriamento, águas de rios, mares e lagos são usadas, e essa prática altera a composição natural dos mananciais, que ficam com menos oxigênio por causa do aquecimento sofrido. Outra forma de resfriamento dos vapores se dá pelo uso de água armazenada em torres, mesmo assim, quando os vapores são liberados, eles alteram o fluxo natural de chuvas e provocam as alterações climáticas que tanto prejudicam o meio ambiente. Logo, o funcionamento das usinas termoelétricas potencializa o aquecimento global, causando o chamado efeito estufa e também as chuvas ácidas.

No Brasil, as termoelétricas funcionam como alternativa complementar às hidrelétricas, como em períodos de seca, por exemplo. Em comparação com hidrelétricas, elas apresentam vantagem, uma vez que produzem energia de maneira estável durante todo o ano, já que não dependem dos níveis dos rios. Elas podem, ainda, ser instaladas próximas aos locais de consumo. O resultado é a diminuição do risco de perdas e prejuízos. Como sabemos, as usinas termoelétricas podem funcionar com vários tipos de combustíveis, no entanto, eles vêm causando sérios danos ambientais. A crescente preocupação com a escassez dos recursos naturais está provocando empenho em novos estudos e iniciativas que amenizem ou solucionem os danos já causados. Nesse sentido criou-se, no Brasil, a primeira usina termoelétrica do mundo que funciona com etanol. Em funcionamento desde 2010, ela trouxe melhorias significativas, como a diminuição da emissão de dióxido de carbono na atmosfera e uma grande redução no dispêndio de água durante processo de geração de energia. A termoelétrica brasileira se localiza em Minas Gerais, na cidade de Juiz de Fora, e serve de inspiração para o mundo.

O sistema utiliza turbinas semelhantes às usadas em aviões de grande porte, que funcionavam originalmente com combustível líquido, e foram adaptadas ao uso de gás natural e, agora, retornam ao uso de combustível na forma original (líquida), no caso, o biocombustível. O uso do etanol tem custo mais alto que o do gás natural, o que o torna uma boa alternativa apenas para locais onde seja inviável a utilização do gás. O álcool, nesse caso, chega por rodovias, sendo armazenado para posterior bombeamento até o combustor, que promove a queima do álcool. O processo causa menos impacto e é uma alternativa válida no sentido conservação ambiental.

Quando o assunto é sustentabilidade e biotecnologia, você pode se informar e aprender mais com quem é referência no assunto, a Novozymes, empresa reconhecida e premiada por suas iniciativas. Acesse o Bioblog e aumente os seus conhecimentos sobre sustentabilidade e soluções em prol do meio ambiente.

Quer fazer um comentário?