14-12-2016

Como aumentar a produção de etanol com a capacidade existente

bioenergia é uma forma de obter combustíveis de produção renovável e sustentável.  Isso significa que é uma alternativa com grande potencial de mercado atual e futuro. Resultando, dessa forma, num caminho para a autossuficiência energética de diversos países, como o Brasil, devido a sua capacidade no setor.

Graças a esses atributos, o etanol tornou-se um dos seus melhores produtos, pois oferece múltiplas vantagens.

Como o etanol da cana-de-açúcar é produzido?

O etanol não é um produto natural, isto é, para sua obtenção é necessário extraí-lo das moléculas de milho, trigo, beterraba, trigo, mandioca ou cana-de-açúcar. Essa última matéria-prima é a que representa a maior produção do combustível no Brasil.

No país, o processo tradicional que transforma a cana-de-açúcar em etanol tem as seguintes etapas:

  1. A cana-de-açúcar é colhida e encaminhada para moagem na usina.
  2. O melado obtido é tratado quimicamente e filtrado.
  3. Depois da decantação, um melado é extraído, e passa a ser chamado de caldo clarificado.
  4. Realiza-se a limpeza de impurezas.
  5. O caldo passa por fermentação com levedura de Saccharomyces cerevisia.
  6. O produto resultante é a vinhaça, que passa por destilação e desidratação.
  7. O etanol hidratado é obtido, o qual é comumente misturado à gasolina.
  8. Depois da desidratação da substância anterior, tem-se o etanol anidrito ou álcool. Este é o que se utiliza na forma pura, para abastecimento de veículos de transporte.

Como aumentar a capacidade a partir da produção de etanol já existente?

Desse modo, uma das principais vantagens desse tipo de etanol é que no momento da moagem o bagaço da cana-de-açúcar pode ser retirado e transformado em energia para a própria usina, reduzindo os seus custos. Outra opção é converter essa biomassa em etanol lignocelulósico ou de segunda geração, o que minimiza a necessidade de se aumentar a área plantada de cana-de-açúcar. Assim, aumenta-se a exploração de outros mercados do setor de biocombustíveis.

Nesse tipo de produção, contudo, é também necessário maior domínio e uso de tecnologias que possam facilitar o seu complexo processo. Nele, deve-se realizar um pré-tratamento da biomassa da cana-de-açúcar, no qual ela é fracionada em celulose, hemicelulose e lignina.

Para isso, é preciso recorrer à hidrólise ácida (com o uso de substâncias químicas) ou à hidrólise enzimática (com o uso de enzimas), métodos que tornarão possível a obtenção de açúcares que passarão por fermentação e serão transformados em etanol.

Qual a melhor opção: uso de enzimas ou substâncias químicas?

Ao se comparar essas técnicas, a hidrólise enzimática é a opção mais viável para produção de etanol lignocelulósico, uma vez que é menos nociva ao meio ambiente e tem menor custo. As enzimas também podem ser aplicadas em processos de etanol de primeira geração, em substituição ao uso de substâncias químicas. Dessa forma, práticas sustentáveis são priorizadas, afinal, esta é a base para a criação de biocombustíveis.

Tecnologias para produção de etanol no Brasil

Tecnologias enzimáticas para produção de etanol podem ser encontradas na Novozymes, empresa líder mundial nesse segmento. Além disso, outras soluções para indústrias podem ser encontradas em seu portfólio. Acesse o Bioblog e conheça outras opções de aplicação de enzimas: http://www.bioblog.com.br/.

Quer fazer um comentário?