Bioenergia

Brasil espera reduzir 10,1% na intensidade de carbono dos combustíveis até 2028 com RenovaBio

Essa redução na intensidade de carbono, idealizada pelo RenovaBio, representa a redução na emissão de CO2 em torno de 90 milhões de toneladas por ano, até 2028, representando um acumulado de 591 milhões de toneladas.

No início do mês de junho, o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) realizou uma reunião ordinária e aprovou as metas compulsórias que visam a redução da intensidade de carbono (IC) dos combustíveis utilizados nos meios de transporte do país em 10,1% até 2028.

A redução aprovada está de acordo com o prazo definido pela Lei 13.576 (RenovaBio), que foi apresentada como Plano Nacional de Biocombustíveis e aprovada como Lei em dezembro de 2017. Uma das suas propostas é definir as bases para a expansão do investimento privado na produção de biocombustíveis, promovendo o aumento da produtividade, redução de custos e facilitar o acesso aos consumidores.

“Apesar de ser o segundo maior produtor de etanol do mundo, já possuir um histórico de incentivo às alternativas aos derivados do petróleo e liderar debates sobre bioeconomia, o país e o setor de bioenergia ainda sofrem com a falta de políticas públicas. O Renovabio é uma solução em política pública para a bioenergia brasileira. Clique aqui e saiba mais”.

Quando aprovada como Lei, uma das diretrizes é que as metas compulsórias para os primeiros dez anos de vigência deveriam ser aprovadas pelo CNPE em 180 dias, por meio da criação de  um comitê especializado.

Essa redução de poluição, idealizada pelo RenovaBio, representa a redução na emissão de CO2 e gases equivalentes em torno de 90 milhões de toneladas por ano, até 2028, representando um acumulado de 591 milhões de toneladas.

O RenovaBio terá papel central tanto em relação ao abastecimento de combustíveis do país, bem como em relação às metas climáticas que o Brasil tem que cumprir sob o guarda-chuva do Acordo de Paris, para reduzir a emissão de gases do efeito estufa e incentivar a geração de combustíveis sustentáveis. Clique aqui e conheça o programa.

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *