16-09-2016

A energia de biomassa florestal

Biomassa é toda matéria orgânica com potencial para geração de energia ou combustíveis, que é uma matéria-prima renovável e pouco poluente, cujo aproveitamento é capaz de empregos e renda. Sendo uma forma alternativa de geração de energia, a biomassa utiliza madeira (lenha ou carvão), resíduos de exploração vegetal, óleos vegetais, cana-de-açúcar, casca de arroz, babaçu, sisal, entre outros.

O início do uso da biomassa como fonte energética

A partir da década de 1970, com uma crise no petróleo, o planeta se voltou para a  questão de substituir as fontes de energia poluentes, como o próprio petróleo e seus derivados, por produtos sustentáveis não poluentes. Vários conceitos ligados a sustentabilidade ambiental, social e econômica foram criados, entre elas, a utilização de energia de biomassa florestal. A biomassa, quando cultivada e manuseada de forma sustentável, não acrescenta CO2 na atmosfera. O gás carbônico produzido no processo de queima é absorvido no processo de fotossíntese com o plantio e crescimento da próxima reserva de "combustível".

O Brasil, conforme dados do Balanço Energético Nacional, está na frente de muitos países, pois fontes alternativas de energia limpa e a biomassa já estão sendo utilizadas em muitas empresas brasileiras como partes da matriz energética. Um outro tipo de alternativa para a produção de energia no Brasil, é a "eólica", na qual se transforma a energia do vento em eletricidade. Fontes de energia hidráulica, solar e marítima também foram desenvolvidas aqui no Brasil, mas o incentivo fiscal  acaba não ajudando muito da difusão dessa ideia.

A cana de açúcar, seu bagaço e outros vegetais similares, já estão sendo utilizados por algumas empresas (usinas de álcool e açúcar e fábricas de papel e celulose) como fonte complementar de energia em suas "centrais auto-produtivas".  Apesar dos desafios de viabilidade econômico-financeira, as universidades e os centros de pesquisa têm se dedicado à pesquisa nas áreas de biomassa e energia sustentável, muitas vezes com o apoio da iniciativa privada, que investe em projetos da área, buscando aperfeiçoar o uso dessas matrizes energéticas a fim de torná-las economicamente interessantes e ambientalmente sustentáveis.

Quer fazer um comentário?