Sustentabilidade

2017 foi o segundo ano mais quente da história

De acordo com levantamento do jornal britânico “The Guardian” baseado em dados da Nasa, o ano passado foi o mais quente da história, se forem desconsiderados os anos influenciados pelo El Niño

O ano de 2017 foi o segundo mais quente já registrado, segundo um levantamento do jornal britânico “The Guardian” baseado em dados da Nasa. O que prova cada dia mais a importância do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU (ODS) 13: Ação contra a mudança global do clima.

De acordo com a publicação, foi também o ano mais quente se forem desconsiderados os anos em que as temperaturas foram influenciadas pelo El Niño – fenômeno natural cíclico que eleva as temperaturas e provoca impactos como secas e catástrofes naturais. O ano fechou com uma média de temperatura 0.17°C acima de 2014, que detinha o vergonhoso recorde até então.

O ano passado também foi mais quente do que 2015, em que houve ocorrência do fenômeno El Niño – fato alarmante se considerados os impactos graves que o El Niño costuma causar.

Este novo recorde confirma o que cientistas vêm alertando há anos: o aquecimento global vai continuar a elevar as temperaturas rapidamente, tornando cada vez mais reais as previsões de aumento de catástrofes naturais e secas pelo mundo.

Meta para 2030

O combate ao aquecimento global é um dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) aprovados na Cúpula de Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas (ONU), em setembro de 2015, que formalizou a da Agenda 2030.

O ODS 13 visa “tomar medidas urgentes para combater a mudança do clima e seus impactos”. A meta inclui o apoio à criação de políticas nacionais para o clima e ações de conscientização com vistas à prevenção do quadro, além do planejamento de providências para a adaptação dos países aos riscos e desastres que serão provocados pelas mudanças climáticas no futuro.

As consequências do aquecimento global vão desde pioras na qualidade do ar até catástrofes como enchentes, furacões e o aumento dos níveis dos oceanos.

O ponto central da meta é a implementação do compromisso assumido pelos países desenvolvidos na Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima.

A Agenda 2030 sugere soluções tecnológicas para reduzir as emissões de carbono, uma das principais causas do aquecimento global. O objetivo é limitar o aumento da temperatura global até 2°C acima dos níveis pré-industriais.

Além das medidas urgentes a serem tomadas por órgãos internacionais, governos e indústrias, indivíduos também podem tomar medidas para contribuir com o combate ao aquecimento global nos próximos anos, como adotar carros híbridos, instalar isolamento térmico nas residências e ajustar sistemas de climatização para poupar energia.

E você leitor do Bioblog, o que acha do record de aquecimento que nosso planeta bateu em 2017? Comente e compartilhe com a gente a sua opinião!

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *