Sustentabilidade

Tem dúvidas sobre o COVID-19? A OMS disponibiliza número de Whatsapp para esclarecê-las

Basta enviar a palavra “oi”, no aplicativo Whatsapp, para o número +41 22 501 77 35 e iniciar a conversa (http://wa.me/41225017735?text=oi).

A Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou no dia 06 de abril a versão em português de um serviço de mensagens gratuito, desenvolvido em parceria com WhatsApp e Facebook, para manter as pessoas bem informadas sobre o novo coronavírus. O escritório da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e da OMS no Brasil auxiliou na adaptação dos conteúdos para português.

Basta enviar a palavra “oi”, no aplicativo Whatsapp, para o número +41 22 501 77 35 e iniciar a conversa (http://wa.me/41225017735?text=oi). Será aberto um menu de opções para tirar dúvidas, checar os dados mais atualizados, descobrir o que é fato ou fake news (boato), quais as medidas mais importantes para proteger a si e a outras pessoas, além de outras informações sobre a doença causada pelo novo coronavírus: a COVID-19.

Esse serviço de mensagens é fácil de usar e tem potencial para atingir 2 bilhões de pessoas no mundo, de líderes governamentais a profissionais de saúde, familiares e amigos. Permite também levar informações, sempre baseadas na ciência, diretamente às mãos de quem precisa.

Em 20 de março, a OMS lançou este alerta de saúde em inglês, que foi desenvolvido em colaboração com o Praekelt.Org, usando a tecnologia Turn machine learning.

Outros idiomas:

Árabe

Envie “مرحبا” para +41 22 501 70 23 no WhatsApp

wa.me/41225017023?text=مرحبا

Espanhol

Envie “hola” para +41 22 501 76 90 no WhatsApp

wa.me/41225017690?text=hola

Francês

Envie “salut” para +41 22 501 72 98 no WhatsApp

wa.me/41225017298?text=salut

Inglês

Envie “hi” para +41 79 893 18 92 no WhatsApp

wa.me/41798931892?text=hi

 Italiano

Envie “ciao” para +41 22 501 78 34 no WhatsApp

wa.me/41225017834?text=ciao

 Você pode se prevenir contra o coronavírus com algumas ações bem simples. Clique aqui e confira as principais recomendações do Ministério da Saúde.

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *