Sustentabilidade

Secretariado da ONU adota plano para cortar as próprias emissões pela metade até 2030

As operações globais do Secretariado da ONU representam aproximadamente 58% das emissões de gases de efeito estufa de toda a operação da ONU

O Secretariado das Nações Unidas adotou um novo Plano de Ação pelo Clima para os próximos dez anos que pretende transformar suas operações para atingir 45% de redução de emissões de gases de efeito estufa e 80% de uso de energia elétrica de fontes renováveis.

O plano foi adotado pouco antes da Cúpula de Ação pelo Clima, que foi realizada pelo secretário-geral da ONU para incentivar metas globais mais ambiciosas e aumentar significativamente as ações para limitar as mudanças climáticas.

As operações globais do Secretariado da ONU representam aproximadamente 58% das emissões de gases de efeito estufa reportadas pelo Sistema ONU, de acordo com o mais recente relatório “Greening the Blue”, que apresenta ações ambientais da ONU e foi lançado pela ONU Meio Ambiente.

O Secretariado é a maior entidade do Sistema ONU e inclui operações de paz que enfrentam condições difíceis de segurança, logística e política nas regiões mais vulneráveis do mundo. Portanto, o Secretariado tem um papel essencial para que a ONU atinja seus objetivos internos de sustentabilidade.

O secretário-geral das Nações Unidas assumiu o compromisso para que a Organização lidere pelo exemplo, e fez um chamado por ações transformadoras para abordar a crise climática, inclusive por parte do Sistema ONU e do Secretariado.

O novo Plano de Ação pelo clima foi desenhado para transforar as operações do Secretariado da ONU e alinhá-las aos objetivos do relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) de 2018, que apontou os benefícios inequívocos de se limitar a mudança climática a 1,5 °C. O Plano segue as recomendações do IPCC sobre redução de emissões de carbono.

Para motivar as ações até 2030, o Secretariado estabeleceu ousadas metas quantitativas e de desempenho. O plano pretende atingir redução absoluta per capita de 25% das emissões de gases de efeito estufa até 2025 e de 45% até 2030. Para isso, vai reduzir o consumo per capita de eletricidade em 20% até 2025 e em 35% até 2030 e passar a consumir 40% de sua eletricidade de fontes renováveis antes 2025 e 820% até 2030. Outras metas quantitativas dizem respeito ao impacto climático de viagens de avião e da realização de eventos.

O plano também estabelece o compromisso da Organização com a neutralidade climática de suas operações globais. De acordo com o relatório “Greening the Blue”, o Secretariado da ONU é considerado climaticamente neutro já este ano, antes da meta de 2020, por meio do uso de créditos de carbono certificados pela Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (UNFCCC). A ONU emitiu 2 milhões de toneladas de dióxido de carbono equivalente (CO2eq) em 2018 – ou 7 tCO2eq per capita.

O relatório identificou que um total de 55 entidades da ONU foram climaticamente neutras em 2018, o que representa 95% das emissões de gases de efeito estufa reportadas pelo Sistema ONU. Foi um aumento 39% em comparação com o ano anterior. As entidades da ONU geraram 45% de suas emissões em suas instalações, como os escritórios-sede e de campo e centros de logística. Quarenta e dois por cento das emissões resultaram de viagens de avião, e outros 13% de outros tipos de viagem.

As metas do Plano de Ação pelo Clima do Secretariado da ONU serão atingidas por meio da intensificação de esforços de gestão ambiental existentes, soluções inovadoras, mudanças na cultura organizacional e parcerias com atores externos. Estima-se que a intensificação deve trazer uma redução significativa ao redor de 30%. Intervenções inovadoras para completar a transição no uso de energia com amplas parcerias devem levar a Organização à meta de 45% de redução.

Entre essas intervenções, o Secretariado da ONU está procurando catalisar o desenvolvimento de novas infraestruturas em áreas operacionais complexas que sejam inteligentes do ponto de vista climático e que permitam atender as necessidades energéticas das operações de paz e das comunidades locais.

Ao realizar sua própria transformação e transição energética em um esforço de múltiplos atores, o Secretariado pretende atingir benefícios econômicos e de desenvolvimento sustentável diretos e indiretos, com eficiência de longo prazo, melhoria da integração de ações climáticas da ONU no nível dos países e impactos positivos para as comunidades vulneráveis em que o Secretariado opera e às quais serve.

Ao intensificar e aprimorar esforços existentes nas missões em campo e em todo o Secretariado, a Organização já acelerou a sustentabilidade ambiental de suas operações em meses recentes. A Organização promulgou uma política de meio ambiente em setembro de 2019 e se comprometeu com a neutralidade climática de suas operações globais antes mesmo do vencimento da meta de neutralidade climática em 2020. Esse processo seguirá adiante, e a Organização está aberta a parceiros interessados nessa jornada de dez anos rumo a um Secretariado inteligente do ponto de vista climático.

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *