10-08-2017

Programa Rota 2030 deve ganhar reforço com o RenovaBio

O Rota 2030 está alinhado com o compromisso que o Brasil firmou na COP-21

            O setor automotivo foi uma dos destaques do Ethanol Summit deste ano e, com ele, o Programa Rota 2030, criado pelo Governo Federal com foco na eficiência energética e pensado sob a ótica da sustentabilidade.

Essa nova política vai substituir o Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica e Adensamento da Cadeia Produtiva de Veículos Automotores (Inovar-Auto). As ações anteriores, em especial as que tratam dos incentivos fiscais, foram condenadas pela Organização Mundial do Comércio (OMC), que afirmou que o regime infringia as leis de livre comércio.

O programa, que deverá vigorar por 13 anos, foi elaborado por pelos ministérios da Indústria e Comércio, Fazenda, Ciência e Tecnologia e Planejamento, além da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores, da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e deve estabelecer planos para atrair investimentos, garantir segurança à indústria automobilística, incentivar a competitividade, promover o uso de novas tecnologias e reforçar a importância dos biocombustíveis.

Segundo Henry Joseph Jr., diretor de Assuntos Governamentais da Volkswagen do Brasil e vice-presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (ANFAVEA), o Rota 2030 e o RenovaBio são “faces da mesma moeda”, pois ambos estão alinhados no objetivo de diminuir a emissão de gases do efeito estufa. “O Rota 2030 tem a vantagem de tratar a questão da eficiência energética dentro do contexto da redução de emissão de gases de efeito estufa. Algo que nós, do setor automobilístico, discutimos com muita tranquilidade, já que os veículos do Brasil utilizam o combustível renovável há bastante tempo e a frota brasileira, hoje, tem em sua maioria flex”, explicou.

Para ele, é fundamental que a mobilidade tenha que considerar uma redução significativa na emissão dos gases de efeito estufa (GEEs). Por isso, o Rota 2030 está alinhado com o compromisso que o Brasil firmou na COP-21. E o entendimento é que todos os setores tenham que se mobilizar para que o País possa alcançar essa meta. Do ponto de vista da indústria automobilística, graças ao uso intensivo de combustíveis renováveis, o setor tem condições plenas de alcançar esses objetivos. “O Rota 2030 estabeleceu metas a serem alcançadas pelo setor automotivo, já o RenovaBio é um programa mais abrangente, que leva a uma valorização muito grande da matriz energética brasileira”, completou.

Biosoluções

Novozymes é uma multinacional de referência no segmento de enzimas. Elas otimizam o processo de produção de biocombustíveis e podem reduzir em até 130% as emissões de gases de efeito estufa, o que também diminui a pegada de carbono. Dessa forma, todos os trabalhos da Novozymes são baseados em práticas sustentáveis e com menor impacto ambiental. Conheça também outros conteúdos sobre biologia e meio ambiente no Biobloghttps://www.bioblog.com.br/.

2 comments

  1. O Rota 2030 está alinhado com o compromisso que o Brasil firmou na COP-21? Poderiam comprovar? Se o Brasil não adotar metas de eficiência energética antes de 2030, dificilmente cumprirá o Acordo de Paris.

    Responder
    1. Olá Natalie, como vai?
      A proposta do Rota 2030 visa ajudar o país a cumprir os compromissos assumidos com o Acordo de Paris. Esse, como outros programas e projetos como o Renovabio, podem contribuir. Concordamos, se não forem adotas as metas dificilmente a parte no Acordo será cumprida. Tem uma matéria interessante no site http://dana.com.br/canaldana/2017/09/06/rota-2030-e-a-revolucao-na-industria-automotiva/ que pode te ajudar a entender melhor a proposta. Um abraço,

      Responder

Quer fazer um comentário?