12-07-2017

Pães de fermentação natural voltam ao gosto dos consumidores

Mas o que é esse fermento natural? Para a massa crescer é preciso contar com a ajuda de microrganismos, as chamadas leveduras, que são usadas para fazer diversos alimentos

            Pãozinho de todo dia com sabor de infância. Afinal, quem nunca experimentou o processo de produção de pães com uma avó, tia ou mãe, quando criança? Em uma época em que era ainda difícil o acesso a fermentos químicos, nas casas das famílias de todo o país o fermento utilizado nas preparações dos pães era feito nas residências, em um longo processo de fermentação e depois dividido com vizinhos, que renovavam o processo de fermentação e assim um ciclo perfeito na produção dos pães.

O fermento caseiro, atualmente conhecido como “levain” é criado a partir da mistura de farinha e água e precisa de uma semana, pelo menos, para ser produzido. Ou seja: muita paciência, planejamento e cuidados com o produto. Mas o resultado é um pão crocante, saboroso e que remete à infância de qualquer um.

Apelando para a memória gustativa dos seus clientes, muitas panificadoras, padarias e confeitarias do país vêm se dedicando a esse tipo de panificação. Algumas indústrias também, ao disponibilizar aos consumidores que não conseguem ou querem disponibilizar seu tempo num longo e paciente processo produtivo, pães com fermentação natural.

Esse tipo de pão se tornou uma verdadeira febre em Curitiba. A revista Bom Gourmet, no mês de maio, divulgou uma lista de 15 lugares na capital paranaense onde é possível compra-los. Algum deles, inclusive, chegam a ter um período de 40 horas de fermentação da massa.

Mas o que é esse fermento natural? Para a massa crescer é preciso contar com a ajuda de microrganismos, as chamadas leveduras, que são usadas para fazer diversos alimentos, como cervejas, queijos e até a azeitona que consumimos em casa. A levedura digere o açúcar presente na mistura da farinha com a água, liberando álcool e gás carbônico. O álcool evapora quando você leva a massa para o forno. O gás carbônico fica na massa, fazendo-o crescer e formando aqueles buraquinhos no miolo do pão.

Biotecnologias a favor da biodiversidade

Graças à Biotecnologia é possível desenvolver soluções sustentáveis para fabricação de produtos alimentí-cios, têxteis, limpeza, além de tratamento da água com o uso de enzimas e, assim, auxiliar na preservação da biodiversidade. As enzimas são catalizadoras naturais em reações químicas, e podem ser aplicadas na produ-ção de biocombustíveis, garantindo ainda mais economia para o planeta. Na América Latina, a Novozymes é referência no segmento, realizando seus trabalhos com base na sustentabilidade e menor impacto negativo ambiental. Conheça mais conteúdos sobre Biologia e Biotecnologia aqui no Bioblog

Quer fazer um comentário?