23-02-2017

Os países mais sustentáveis de 2016

O Brasil consta na 46ª posição do ranking bienal Environmental Performance Index (EPI), que engloba questões de biologia e sustentabilidade.

O ranking bienal Environmental Performance Index (EPI), que engloba questões de biologia e sustentabilidade, se propõe a identificar os países que se destacam no cuidado com os seus recursos naturais, primam por garantir o bem-estar da população e preocupam-se em investir em energias renováveis. O ranking é produzido por uma equipe de profissionais que atuam nas universidades de Yale e Columbia (nos Estados Unidos). Os países que integram o ranking de 2016 foram divulgados em Davos (Suíça), durante o Fórum Econômico Mundial.

São 180 países que integram o último levantamento. Para chegar a essa lista foram utilizados como base 20 indicadores, os quais estão distribuídos em nove categorias, cada uma com peso distinto, entre elas estão saúde ambiental; recursos naturais; energia e clima; poluição do ar; e recursos hídricos.

Quem lidera o ranking é a Finlândia. Sua pontuação ficou em 90.68 pontos numa escala que vai até 100. Na sequência estão os seguintes países: Islândia, Suécia, Dinamarca, Eslovênia, Espanha, Portugal, Estônia, Malta e França.

Números alcançados pelo Brasil

O Brasil consta na 46ª posição do ranking, resultado bastante positivo em comparação à edição de 2014, quando estava ocupando a 77ª posição. Atualmente, a pontuação do Brasil é de 78.90, sendo que a categoria com melhor desempenho foi a de qualidade do ar, alcançando 91.78. Já em relação à preservação de recursos florestais, somaram-se apenas 37.86.

A importância de aderir a uma agenda sustentável

O ranking serve de estímulo para que os países busquem práticas voltadas à sustentabilidade. Elas são essenciais para promover a qualidade de vida da população, garantir o desenvolvimento econômico e, ao mesmo tempo, preservar os recursos naturais. Entre as principais ações que costumam integrar os países sustentáveis estão:

  • Medidas efetivas que minimizem a emissão de gases do efeito estufa;
  • Investimentos em pesquisas e produção de energias renováveis;
  • Ações para promover a manutenção dos recursos naturais;
  • Planejamento do transporte público, utilizando fontes de energia limpa, e incentivo às alternativas de transporte não poluentes, como bicicletas;
  • Sistemas eficientes de coleta e reciclagem de lixo;
  • Medidas para promover o uso racional e o reaproveitamento da água;
  • Criação de programas voltados à melhoria e manutenção da saúde da população.

A multinacional dinamarquesa Novozymes tem auxiliado diversos países com suas biosoluções para maximizar a produção de biocombustíveis, além de auxiliar indústrias de diversos setores para produzir mais utilizando menos energia e recursos naturais.

No site Bioblog (www.bioblog.com.br) constam detalhes sobre as biosoluções oferecidas pela Novozymes.

Quer fazer um comentário?