Alimentos e Bebidas

OMS lança guia para que os países substituam o uso de gordura trans até 2030

O guia fornece seis ações que visam assegurar a eliminação rápida, completa e sustentável das gorduras trans por outros óleos mais saudáveis além da indicação de políticas púbicas para a produção de alimentos.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) lançou um guia, chamado Replace, com um passo a passo para eliminar os ácidos graxos trans (gordura trans) presentes em alguns alimentos e nos seus insumos, como nas gorduras vegetais hidrogenadas e em assados e frituras, por exemplo. Segundo a entidade, a medida é fundamental para salvar vidas, visto que a ingestão desmedida dessas gorduras é a responsável por cerca de 500 mil mortes de pessoas vítimas de doenças cardiovasculares. Para a OMS, é possível a substituição dessas gorduras, por outras alternativas mais saudáveis, que não afetam o sabor e o custo dos alimentos.

“A OMS pede aos governos que usem o pacote de ação REPLACE para eliminar os ácidos graxos trans produzidos industrialmente do suprimento de alimentos”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus. “A implementação das seis ações estratégicas do REPLACE ajudará a alcançar a eliminação da gordura trans e representará uma importante vitória na luta global contra as doenças cardiovasculares.

“Nem todas as gorduras são ruins para o organismo. Saiba mais sobre a importância das gorduras boas para o organismo, clicando aqui.”

O guia fornece seis ações que visam assegurar a eliminação rápida, completa e sustentável das gorduras trans por outros óleos mais saudáveis além da indicação de políticas púbicas para a produção de alimentos. Conforme a OMS, vários países de alta renda praticamente eliminaram as gorduras trans produzidas industrialmente por meio de limites legalmente impostos sobre a quantidade que pode estar contida nos alimentos embalados. Alguns governos implementaram proibições de óleos parcialmente hidrogenados, a principal fonte de gorduras trans produzidas industrialmente.

A entidade afirma que a Dinamarca, por exemplo, foi o primeiro país a impor restrições às gorduras trans produzidas industrialmente, o teor de gordura trans dos produtos alimentares diminuiu drasticamente e as mortes por doenças cardiovasculares diminuíram mais rapidamente do que em países comparáveis da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

O embaixador global da OMS para doenças crônicas não transmissíveis, Michael Bloomberg, ex-prefeito de cidade de Nova Iorque e fundador da Bloomberg Philanthropies, argumentou que “proibir gorduras trans na cidade de Nova Iorque ajudou a reduzir o número de ataques cardíacos sem mudar o sabor ou o custo dos alimentos”. Segundo ele, a eliminação de seu uso em todo o mundo poderia salvar milhões de vidas.

A eliminação do suprimento global de alimentos com gorduras trans produzidas industrialmente foi identificada como uma das metas prioritárias do plano estratégico da OMS, que orientará o trabalho da organização entre 2019 e 2023. A OMS recomenda que o consumo total de gordura trans seja limitado a menos de 1% do consumo total de energia, o que se traduz em menos de 2,2 g/dia em uma dieta de 2 mil calorias.

Alguns alimentos contêm boas gorduras e que podem ser consumidos com moderação. Esse é o caso do chocolate. Quer saber mais sobre isso? Confira aqui no Bioblog.

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *