Bioenergia

O potencial de redução de emissão de GEE no etanol de milho

Estudo revela que as emissões de gases de efeito estufa do etanol de milho são cerca de 39% mais baixas do que as da gasolina

 

Um estudo publicado na revista Biofuels (biocombustíveis) descobriu que as emissões de GEE (gases de efeito estufa) do etanol de milho são cerca de 39% mais baixas do que a gasolina em energia equivalente. O estudo, intitulado “Os benefícios dos gases de efeito estufa do etanol de milho – avaliando evidências recentes”, também descobriu que, quando o etanol é produzido em refinarias movidas a gás natural, as emissões de GEE são ainda mais baixas, cerca de 43% abaixo da gasolina.

Segundo o estudo, as projeções de aumento das emissões de GEE devido à mudança no uso do solo nos Estados Unidos não se materializaram. Estimativas anteriores das emissões de GEE do etanol presumiam que o aumento do preço do milho (causado pelo aumento da demanda por etanol de milho) resultaria em agricultores trazendo novas terras para a produção (também conhecido como mudança no uso da terra).

O estudo também avaliou os impactos de GEE de tecnologias avançadas. Isso inclui a adoção de tecnologia de conservação em fazendas de milho, como culturas de cobertura, plantio direto e agricultura de precisão, que podem diminuir as emissões nas fazendas. Combinado a melhorias de eficiência nas refinarias, como a mudança para biomassa como combustível de processo, essas melhorias podem resultar em um perfil de emissões de GEE 70% mais baixas para o etanol em relação à gasolina até 2022.

As melhorias na eficiência das refinarias podem ter benefícios além da redução das emissões de GEE, como a produção de coprodutos como o óleo de milho. Desde 2010, as refinarias de etanol têm evoluído adotando processos mais eficientes para produzir mais etanol por alqueire de milho. Claro, levar essas mudanças em consideração reduz ainda mais as emissões de GEE do ciclo de vida do etanol e é o que muitos países, como o Brasil, vêm buscando.

E você, tem usado etanol no seu veículo? Conta pra gente aqui nos comentários!

 

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *