Bioenergia

Novozymes apresentou a Premira™ na Fermentec 2019

Durante a 41ª Reunião Anual da Fermentec, especialista falou sobre a Premira™, nova solução que permite aumentar a recuperação de açúcar pelas usinas

Nos dias 24 e 25 de julho a Novozymes participou da 41ª edição da Reunião Anual da Fermentec que, neste ano, trouxe como principal discussão as tecnologias, novidades e alternativas para ajudar as usinas terem mais competitividade e autonomia, além do cenário de investimentos para o setor e os novos rumos para a indústria brasileira de cana. Nos debates, também, destaque para o Programa RenovaBio e o novo horizonte para o setor sucroenergético.

Durante o encontro, Eduardo Borges da Silva, especialista em Tecnologia da Indústria da Novozymes, falou sobre as soluções enzimáticas para cana-de-açúcar, mostrando que a inovação está contribuindo muito para aumentar a produção e reduzir as perdas. Uma das inovações apresentadas neste ano está a Novozymes Premira™, que é uma nova solução desenvolvida para aumentar a recuperação de açúcar pelas usinas.

Segundo ele, esse lançamento garante a redução da viscosidade das correntes processuais da fabricação do açúcar pelas usinas de cana e por consequência leva ao aumento de recuperação deste commodity, mesmo em doses baixas da enzima. Além disso, o Premira™ remove os polissacarídeos problemáticos que podem permanecer no açúcar final e causar problemas nas especificações do produto. Com a utilização dessa solução é possível aumentar a estabilidade das operações das usinas e a eficiência da cristalização da sacarose, além de ter menos perdas na fabricação dos diversos tipos de açúcar, evitando por exemplo a destruição térmica da sacarose no processo.

Foram dois anos dedicados principalmente ao desenvolvimento e validação dos benefícios da aplicação do Premira™ nas usinas de cana de açúcar. Um grande volume de  dados foi gerado por meio de ensaios de larga escala executados em plantas industriais, principalmente, de nosso parceiro comercial, o grupo São Martinho – um dos maiores grupos sucroenergéticos do Brasil, com capacidade aproximada de moagem de 24 milhões de toneladas de cana. Na Usina Iracema,  uma instalação de produção de 1,400 toneladas/dia, a aplicação da nova solução enzimática por mais de 20 semanas, entregou um aumento de recuperação ao redor de 1,5% do volume de açúcar por tonelada de cana processada, com quedas na viscosidade das massas de até 20% e excepcional eficiência na degradação de polissacarídeos no produto final: 95%!

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *