Sustentabilidade

Nova metodologia da FAO pode ajudar a mensurar o desperdício de alimentos no mundo

A FAO também analisa a eficácia de políticas como incentivos econômicos para empresas e consumidores que combaterem o desperdício de alimentos.

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) está desenvolvendo uma metodologia para criar um novo índice, o Food Lost Index, com o objetivo de mensurar de maneira mais precisa o desperdício de alimentos no mundo. Além de considerações econômicas, as perdas e desperdícios de alimentos tem também uma grande dimensão ética e ambiental. Enquanto 821 milhões de pessoas no mundo estão em estado de insegurança alimentar, um terço de toda a produção alimentar do mundo é desperdiçada diariamente, segundo a FAO.

Em mensagem de vídeo gravada para o fórum “Perdas e desperdícios de alimentos: contribuição da tecnologia pós-colheita e um olhar para o futuro”, que aconteceu na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), José Graziano, diretor-geral da agência, disse que a FAO também analisa a eficácia de políticas como incentivos econômicos para empresas e consumidores que combaterem o desperdício.

“A estratégia da FAO está construída sobre quatro pilares: a conscientização sobre o impacto do desperdício; a identificação de onde ocorrem as perdas; a sugestão de soluções viáveis e o apoio ao investimento nos setores público e privado para reduzir as perdas e os desperdícios”, explicou.

Além de considerações econômicas, as perdas e desperdícios de alimentos têm também uma grande dimensão ética e ambiental. Enquanto 821 milhões de pessoas no mundo estão em estado de insegurança alimentar, um terço de toda a produção alimentar do mundo é desperdiçada diariamente. A estimativa é de que, anualmente, cerca de 1,3 bilhão de toneladas de comida seja descartada. “O ODS número 12.3 espera reduzir pela metade, até 2030, o desperdício do consumo final de alimentos per capita, bem como reduzir todas as perdas ao longo das cadeias de produção e abastecimento”, lembrou o diretor-geral da FAO. 

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *