SustentabilidadeTratamento de água

Futuro da água potável pode ter contribuição brasileira

A Engenheira Nadia Ayad venceu o Desafio Global do Grafeno em 2016 com um sistema de dessalinização e filtragem utilizando o Grafeno. Garantia de água potável para todos é um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, o ODS 6

Um projeto de dessalinização e filtragem utilizando o grafeno pode ser a contribuição de uma brasileira para o futuro da água potável no mundo. A ideia da engenheira Nadia Ayad, do Rio de Janeiro, foi a vencedora do Desafio do Grafeno de 2016, promovido pela indústria sueca de materiais para usinagem Sandvik Coromant.

A competição internacional tinha como proposta o uso do grafeno para soluções sustentáveis devido ao alto potencial de inovação desta matéria-prima. Derivado do grafite, o grafeno tem sido visto com entusiasmo pelos cientistas.

Ao reciclar a água usada em máquinas de lavar e pias de residências, o sistema de dessalinização e filtragem criado pela brasileira permitiria um corte significativo de gastos com energia elétrica e aliviaria a pressão sobre as fontes de água atuais.

A escassez deste elemento básico para a vida humana, a água, é uma das maiores preocupações globais para o futuro.

ODS 6

O acesso universal à água potável é um dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030, aprovada na Cúpula de Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas (ONU), em setembro de 2015.

Em 2015, segundo dados da organização, 9% da população mundial não tinha acesso à água potável. No início dos anos 2000, essa taxa chegava a 18%.

Os números chegam a 32% quando o tema é o acesso a condições sanitárias básicas. Cerca de cinco mil crianças morrem de doenças evitáveis relacionadas à água e ao saneamento todos os dias.

O ODS 6 trata de “assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todos” até 2030. Entre as ações sugeridas para o cumprimento da meta estão medidas como reciclagem, exploração sustentável das fontes e dessalinização. O projeto de Nadia Ayad aponta para esta direção.

A Agenda 2030 propõe a ampliação de atividades e programas relacionados a coleta, dessalinização, uso eficiente, tratamento de efluentes, reciclagem e tecnologias de reuso da água em todo o mundo.

Signatária do Pacto Global, a Novozymes está comprometida com os princípios do programa. A criação de soluções para reduzir o consumo de água e minimizar resíduos em esgotos está entre as prioridades da estratégia de desenvolvimento da empresa.

Gostou desse artigo? Curta, compartilhe e comente aqui. Participe enviando sua opinião.

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *