Sustentabilidade

Emissões de carbono alcançaram níveis recordes em 2018

A organização Global Carbon Project assegurou que este ano se espera um aumento de 2,7% nas emissões de carbono devido aos combustíveis fósseis.

As emissões globais de CO2 estão atingindo os níveis mais altos de que há registro, segundo projetaram os cientistas da Global Carbon Project, em relatório divulgado e apresentado no encontro do clima das Nações Unidas COP 24 em Katowice, na Polónia.

Entre 2014 e 2016 as emissões mantiveram-se sem alterações, mas em 2017 as emissões aumentaram 1,6%. Para 2018 o aumento  projetado pelos cientistas é de 2,7%. Os autores do relatório dizem que esta tendência ainda pode ser alterada até 2020, se forem tomadas medidas no que diz respeito aos transportes, indústria e emissões resultantes das práticas agrícolas.

Estima-se que o aumento projetado, que levaria os combustíveis fósseis e as emissões industriais a um recorde de 37,1 mil milhões de toneladas de dióxido de carbono por ano, está sendo causado por vários países, de onde se destaca um aumento de cerca de 5% das emissões na China, mais de 6% na Índia e 2,5 % nos Estados Unidos.

“Sob pressão do atual declínio econômico”, que justifica o aumento do uso do carvão novamente, “alguns governos locais podem ter perdido supervisão da poluição do ar e das emissões de carbono”, afirmou Yang Fuqiang, conselheiro de energia para a América do Norte do Conselho de Defesa dos Recursos Naturais. Mas, em termos gerais, segundo Yang, a China está no caminho certo, apesar de se estimar que 60% do consumo total de energia vem do carvão. Pequim quer reduzir este valor para 10% em 2050.

Depois de uma década de diminuições significativas, as emissões de CO2 na União Europeia não tiveram qualquer alteração. Em nível global, as emissões continuam a aumentar apesar de as fontes de energias renováveis também registrarem um aumento. Todavia, segundo os cientistas, estas últimas continuam a representar escassas fontes de energia. O relatório do Global Carbon Project pode ser conferido aqui.

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *