Sustentabilidade

EcoMobility: cidades comprometidas com o transporte sustentável

O uso de biocombustíveis, até as eco-bikes, pode contribuir para combater as mudanças climáticas e a fome em regiões devastadas em todo o mundo, por um planeta mais sustentável

Na COP23 foi ressaltada mais uma importante iniciativa, a Aliança da Ecomobilidade, EcoMobility, cidades comprometidas com o transporte sustentável. A aliança é uma parceria internacional, sem fins lucrativos, que atua para reduzir a dependência dos cidadãos em relação dos veículos motorizados de uso particular.

A EcoMobility oferece apoio, em escala internacional, aos sistemas de acessibilidade que melhorem a saúde, segurança, qualidade do ar e inclusão social, e contribuam para reduzir o tráfego, os níveis de ruído, o consumo de recursos e energia e as emissões de gases de efeito estufa.

A rede foi criada na Conferência das Partes sobre Mudanças Climáticas na Indonésia, em 2007, e vem ganhando destaque pelas iniciativas desenvolvidas e apoiadas em todo o mundo. Em 2017, apresentaram o Relatório de Mobilidade Global, como o primeiro estudo a avaliar o desempenho global do setor de transportes e os progressos realizados a partir de quatro objetivos foco, como o acesso universal, eficiência, segurança e mobilidade verde.

No relatório foram avaliados todos os modos de transporte, incluindo o transporte rodoviário, aéreo, aquático e ferroviário. A notícia ruim é que ele mostra que o mundo não está indo no caminho da mobilidade sustentável, devido ao uso elevado de combustíveis fósseis, aumento das emissões de gases de efeito estufa, poluição do ar e ruído, além do número expressivo de mortes nas estradas e resistência à tecnologia.

Principais conclusões do relatório EcoMobility

O primeiro item, relacionado ao acesso universal, mostra que muitas pessoas têm acesso ao transporte, mas na África, por exemplo, cerca de 450 milhões de pessoas, ou seja, mais de 70% da população rural, ainda não dispõem de empregos, educação e serviços de saúde devido à falta de um transporte adequado. Segundo a EcoMobility, a transição para a mobilidade sustentável permitiria que a África tivesse autonomia de alimentos, além da criação de um mercado regional de alimentos, estimado em US$ 1 trilhão até 2030.

Com relação à eficiência, eles destacam que as principais tecnologias de transporte em uso, na atualidade, surgiram com a revolução industrial. Desde então, o volume no tráfego de automóveis aumentos dez vezes, enquanto o ciclismo e os transportes públicos não apresentaram crescimento.

Analisando todos os custos de transporte, e dentro disso está a aquisição de automóveis, combustível, despesas operacionais e perdas devido ao congestionamento, estima-se que a escolha pela mobilidade sustentável pode gerar uma economia de US$ 70 trilhões até 2050.

Na análise geral sobre a segurança, a EcoMobility reforça que o transporte rodoviário, hoje, representa 97% das mortes e 93% dos custos em todo o mundo. Avaliando a mobilidade verde, o setor de transportes contribui com 23% das emissões globais de gases de efeito estufa relacionadas à energia e 18% de todas as emissões produzidas pelo homem. O aumento do uso de ciclismo e e-bike beneficiaria o mundo com US$ 24 trilhões acumulados entre 2015 e 2050.

Pensar na mobilidade urbana e no uso de combustíveis sustentáveis no transporte é uma missão importante para cada um de nós. E você? Como se locomove pela sua cidade? Conte para gente, compartilhe e participe, oferecendo caronas aos colegas de trabalho e escolhendo biocombustíveis que oferecem menor impacto ao meio ambiente.

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *