Cuidados DomésticosOutrosSustentabilidade

Como as enzimas podem ajudar a reduzir a poluição da água?

Segundo o último relatório sobre a qualidade da água no Brasil da Agência Nacional das Águas e Saneamento Básico (ANA), os menores índices de qualidade estão concentrados em bacias hidrográficas que passam por grandes cidades como São Paulo

A ANA é a agência reguladora dedicada a fazer cumprir os objetivos e diretrizes da Lei das Águas do Brasil (Lei nº 9.433/1997) e, juntamente a outros órgãos reguladores, avalia a qualidade da água no país por meio do Índice de Qualidade da Água (IQA) que expressa a qualidade geral da água no rio quando comaprada à qualidade requerida para abastecimento público apís tratamento convencional. Ele é baseado na conversão das medidas de 9 parâmetros de qualidade da água, incluindo OD (oxigênio dissolvido), DBO (demanda bioquímica de oxigênio), fósforo, turbidez, condutividade, dentre outros.

Segundo o último relatório da ANA, publicado em 2019, parâmetros como OD e fósforo parecem ser um problema comum das grandes capitais, nas quais o monitoramento aponta valores muito fora do ideal para manter a vida aquática desses corpos hidrícos. Mas você sabe quais são as causas para esses valores tão preocupantes e que refletem a péssima qualidade da água em algumas regiões?

Você já parou para pensar para onde vai o resíduo de água e detergente que é formado quando lavamos a louça e as nossas roupas? Bom, em cidades onde o esgoto não é devidamente tratado, esse resíduo pode acabar sendo despejado em algum córrego, riacho ou rio. O problema é que, quando o esgoto é destinado a esses corpos hídricos, ele contribui com a redução do índice de qualidade da água e acaba afetando a vida aquática.

A questão é que grande parte dos detergentes convencionais são compostos, principalmente, por substâncias chamadas de surfactantes ou tensoativos, que podem reduzir a tensão superficial da água formando uma espécie de película na interface ar-água, afetando a difusão do oxigênio no meio, diminuindo a quantidade de oxigênio dissolvido no corpo hídrico e colocando em risco a vida de animais e plantas.

Outro problema é que grandes quantidades de alguns componentes químicos na água de rios podem causar um fenômeno chamado de eutrofização, que é o crescimento excessivo de algas e cianobactérias no meio aquático devido à presença de componenetes que servem de nutrientes para elas, como o fósforo e o nitrogênio. Quando esse fenômeno ocorre, a presença de luz e de oxigênio no meio fica comprometida, acarretando problemas não só a animais e plantas mas também a microrganismos que contribuem para o equilíbrio daquele ecossistema.

E o que as enzimas têm a ver com isso? Bom, enzimas são moléculas proteicas capazes de acelerar reações de quebra de outras moléculas e elas vêm sendo amplamente usadas em várias indústrias, inclusive a de cuidados domésticos responsável pela fabricação dos detergentes para lavar roupas que usamos em casa. Essas enzimas atuam diretamente nas partículas de sujeira presentes nas louças, nas roupas ou em superfícies, de modo que elas tornam essas partículas ainda menores, facilitando sua remoção.

Detergentes que possuem enzimas podem ajudar a prevenir a poluição da água porque, além de as enzimas serem biodegradáveis, ou seja, elas são decompostas naturalmente por microrganismos e assim não prejudicam o meio ambiente, sua aplicação em detergentes pode diminuir a quantidade de surfactantes e outros componentes químicos nesses produtos, reduzindo assim a quantidade de elementos ruins que podem acabar depositados em corpos hídricos e que prejudicariam, não só a vida aquática mas também a de quem depende dela.

 

E você, já usa detergentes enzimáticos na sua casa? Conta pra gente aqui nos comentários!

 

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *