Sustentabilidade

Chefe da ONU pede globalização justa em primeira cúpula dos ODS

Ele pediu aos líderes mundiais que “tomem as decisões necessárias para se unir de maneira mais efetiva e garantir que a Agenda 2030 seja implementada de forma bem-sucedida”.

Precisamos de mais investimentos, mais ação política, mais prioridade para uma globalização justa, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, quando questionado sobre suas expectativas para a Cúpula dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), que ocorreu até 25 de setembro na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque.

Guterres enfatizou que, com mais de 10 anos de prazo, o mundo não está no caminho de atingir as metas relativas ao desenvolvimento sustentável. Ele pediu aos líderes mundiais que “tomem as decisões necessárias para se unir de maneira mais efetiva e garantir que a Agenda 2030 seja implementada de forma bem-sucedida”.

Em 2015, os Estados-membros da ONU adotaram a Agenda 2030, que fornece um caminho para a transição para um planeta mais saudável e mais justo, para as gerações presentes e futuras.

A Agenda 2030 é composta por 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, com metas concretas para acabar com a pobreza e a fome; expandir o acesso a saúde, educação, Justiça e empregos; promover crescimento econômico inclusivo e sustentado; protegendo nosso planeta da degradação ambiental.

Apesar de alguns resultados positivos terem sido informados, os esforços globais foram dificultados graças a conflitos, mudanças climáticas, falta de acesso a serviços básicos de saúde, crescentes desigualdades e significativos problemas de financiamento.

A Cúpula dos ODS, que é um dos cinco principais eventos da Assembleia Geral da ONU, permitiu que líderes governamentais, empresariais e de outros setores identifiquem ações específicas que possam ajudar a colocar a resposta aos ODS nos trilhos, com uma década de ação restando, em linha com o prazo de 2030.

A reunião teve seis “diálogos”, que reuniram líderes de países em desenvolvimento, países desenvolvidos e moderadores. O tema de cada diálogo foi “megatendências”, acelerando os ODS, medidas para impulsionar o progresso, localizando os ODS, parcerias pelo desenvolvimento sustentável e visão para 2020-2030.

A cúpula foi concluída com uma Declaração Política de Chefes de Estado e de Governo, que fornece diretrizes políticas sobre como impulsionar o ritmo da implementação da Agenda 2030 e dos ODS, e uma série de ações para acelerar tais iniciativas.

Algumas conquistas e desafios relacionadas aos ODS:

ODS 7 (Energia Limpa e Acessível): mais pessoas estão usando eletricidade do que nunca. Aproximadamente 9 em cada 10 pessoas têm acesso a eletricidade no mundo. A eficiência energética continua melhorando e a energia renovável está ganhando espaço no setor. Mas 3 bilhões de pessoas ainda não têm acesso a combustíveis e tecnologias limpas para cozinhar, colocando em risco sua saúde e o meio ambiente.

ODS 10 (Redução das Desigualdades): a desigualdade de renda continua a subir em muitas partes do mundo, mesmo que os 40% mais pobres da maioria dos países registre crescimento de renda mais rápido do que a média nacional. Os 40% mais pobres ainda recebiam menos de 25% da renda total. Em muitos países, uma crescente participação da renda vai para os 1% mais ricos.

ODS 13 (Ação contra a Mudança Global do Clima): enquanto as emissões de gases do efeito estufa continuam aumentando, as mudanças climáticas estão ocorrendo mais rápido do que o previsto, e seus efeitos são evidentes no mundo todo. A temperatura média global de 2018 foi de aproximadamente 1°C acima dos níveis pré-industriais.

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *