12-08-2017

Bioeletrecidade de cana já representa 7% da matriz energética brasileira

O resultado é um ciclo energeticamente limpo que em nenhum outro lugar é aproveitado em tamanha proporção como no Brasil

            Um dos temas do Ethanol Summit deste ano, a Bioeletricidade de cana, já representa 7% da matriz energética brasileira e poderia garantir 24% do consumo nacional até 2024. O impacto ambiental dessa fonte é zero, já que a pegada de carbono com a queima do combustível é compensada antecipadamente pela absorção de gás carbônico na atmosfera, por parte das plantas na lavoura.

Com isso, o resultado é um ciclo energeticamente limpo que em nenhum outro lugar é aproveitado em tamanha proporção como no Brasil. Em números gerais, a biomassa representa 9% da capacidade instalada, de acordo com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). A bioeletricidade está na segunda posição da matriz brasileira.

Desde 2013, o setor sucroenergético gera mais energia para elétrica para o Sistema Interligado Nacional (SIN) do que para o consumo em suas unidades e ela teria condições de representar até 24% do consumo nacional nos próximos anos.

Em 2016, mais de 90% dessa geração ficou concentrada em cinco estados da região Centro-Sul, com São Paulo sendo responsável por 50% do volume total. Zilmar de Souza, gerente de Bioeletricidade da UNICA disse que só no ano passado, essa oferta renovável evitou a emissão de 9,3 milhões de toneladas de CO2, o que equivale ao cultivo de 65 milhões de árvores nativas ao longo de 20 anos. “Sem a bioeletricidade teríamos racionamento. Durante a crise hídrica, a biomassa permitiu a economia de 15% de água nos reservatórios das hidrelétricas das regiões Sudeste e Centro-Oeste”, destacou. “É por isso que a bioeletricidade precisa de uma política como a do RenovaBio para o biocombustível”, finalizou.

Biosoluções

Novozymes é uma multinacional de referência no segmento de enzimas. Elas otimizam o processo de produção de biocombustíveis e podem reduzir em até 130% as emissões de gases de efeito estufa, o que também diminui a pegada de carbono. Dessa forma, todos os trabalhos da Novozymes são baseados em práticas sustentáveis e com menor impacto ambiental. Conheça também outros conteúdos sobre biologia e meio ambiente no Biobloghttps://www.bioblog.com.br/.

Quer fazer um comentário?