Sustentabilidade

Biodiversidade é tema da Bienal Internacional de Cartazes

A edição deste ano será dedicada à biodiversidade, tema do Dia Mundial do Meio Ambiente 2020, 5 de junho

Aproveitando a força da arte para ampliar a conscientização ambiental e inspirar ações diretas, a 16ª edição da Bienal Internacional de Cartazes recebe inscrições até 15 de maio, convidando artistas do mundo todo a apresentar obras em seis categorias. Nos últimos 30 anos, cerca de 70 mil pôsteres de cinco continentes foram submetidos para a exposição, que acontece na Cidade do México. O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) é parceiro da Bienal desde 1990, patrocinando a categoria ambiental.

A edição deste ano será dedicada à biodiversidade, tema do Dia Mundial do Meio Ambiente 2020, 5 de junho. Artistas de todo o mundo participam anualmente da Bienal Internacional de Cartazes, usando suas ferramentas e sua criatividade para descrever os desafios de nosso planeta.

Algumas das questões ambientais urgentes que os artistas abordaram incluem biodiversidade, poluição plástica, aquecimento global, economia verde e redução da pegada de carbono na indústria de alimentos.

Na última edição do concurso, 1.645 pôsteres foram submetidos à categoria ambiental. O designer chinês Yongkang Fu conquistou o primeiro lugar por sua peça “Living Space”, que evocou o impacto prejudicial da poluição plástica na vida marinha.

O PNUMA lembra que 2020 é um ano importante para o meio ambiente, quando ocorrem reuniões que devem definir a agenda de ações ambientais da próxima década, incluindo a 15ª reunião da Conferência das Partes (COP15) da Convenção sobre Diversidade Biológica, em Kunming, na China, e a Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática, em Glasgow. A COP15 discutirá a ousada proposta de proteger 30% de toda a terra e mar do planeta.

Segundo um relatório histórico da Plataforma Intergovernamental de Políticas Científicas em Biodiversidade e Ecossistema (IPBES), divulgado em 2019, 1 milhão de espécies de plantas e animais estão em risco de extinção devido a alterações no uso da terra e do mar, à poluição, à mudança climática e à superexploração de recursos.

A saúde dos ecossistemas dos quais nós e todas as outras espécies dependemos está se deteriorando mais rápido do que nunca, de acordo com o ex-presidente do IPBES Robert Watson. Ele lembra que os seres humanos estão corroendo os próprios fundamentos de economias, meios de subsistência, segurança alimentar, saúde e qualidade de vida.

“Este ano, o tema da bienal é mais relevante do que nunca, pois estamos experimentando uma perda irreversível de biodiversidade em uma escala sem precedentes”, disse Leo Heileman, diretor regional do PNUMA para a América Latina e o Caribe. “Estamos muito orgulhosos de continuar esta parceria prolífica com a Bienal Internacional de Cartazes, que acontece na Cidade do México, um dos centros culturais mais vibrantes das Américas”.

A escala da atual degradação da biodiversidade é incomparável; o relatório do IPBES alerta que mais de um terço de todos os mamíferos marinhos, mais de 40% das espécies de anfíbios e 10% dos insetos estão ameaçados.

Para mais informações e inscrições clique aqui.

 

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *